2-Acetilaminofluoreno: Carcinógeno hepático cujo mecanismo de ativação envolve a N-hidroxilação do ácido aril-hidroxâmico, seguido da sulfonação enzimática para formar a sulfoxifluorenilacetamida. É utilizado para estudar a carcinogenicidade e mutagenicidade de aminas aromáticas.Hidroxiacetilaminofluoreno: Derivado N-hidroxilado do 2-ACETILAMINOFLUORENO que possui ação carcinógena.Acetoxiacetilaminofluoreno: Agente alquilante que forma ADUTOS DE DNA na posição C-8 da GUANINA, resultando em quebras em uma única fita. Demonstrou-se sua ação carcinogênica.Fluorenos: Família de derivados do difenilenometano.Carcinógenos: Substâncias que aumentam (em seres humanos e animais) o risco para [apresentar] NEOPLASIAS. Entre elas estão tanto as substâncias químicas genotóxicas (que afetam diretamente o DNA) como as substâncias químicas não genotóxicas (que induzem as neoplasias por outro mecanismo).Neoplasias Hepáticas Experimentais: Tumores induzidos experimentalmente no FÍGADO.Ratos Endogâmicos F344Dietilnitrosamina: Nitrosamina derivada com propriedades alquilantes, carcinogênicas e mutagênicas.Fígado: Grande órgão glandular lobulado no abdomen de vertebrados responsável pela desintoxicação, metabolismo, síntese e armazenamento de várias substâncias.Adutos de DNA: Produtos de reações químicas que resultam na adição de grupos de substâncias químicas estranhas ao DNA.Biotransformação: Alteração química de uma substância exógena por/ou em um sistema biológico. A alteração pode inativar o composto ou pode resultar na produção de um metabólito ativo de um composto precursor inativo. As alterações podem ser divididas em DESINTOXICAÇÃO METABÓLICA FASE I e DESINTOXICAÇÃO METABÓLICA FASE II.gama-Glutamiltransferase: Enzima, às vezes, denominada GGT com papel chave na síntese e degradação da GLUTATIONA (GSH, tripeptídeo que protege as células de várias toxinas). Catalisa a transferência de parte da gama-glutamil para um aminoácido aceptor.Lesões Pré-Cancerosas: Relativo a um processo patológico que tende a tornar-se maligno. (Dorland, 28a ed)Mutagênicos: Agentes químicos que aumentam a velocidade de mutação genética interferindo na função dos ácidos nucleicos. Um clastógeno é um mutágeno específico que causa quebras nos cromossomos.Benzopireno Hidroxilase: Enzima do citocromo P-448 (P-450), metabolizadora de droga, que catalisa a hidroxilação do benzopireno a 3-hidroxibenzopireno, na presença de flavoproteína reduzida e oxigênio molecular. Também age sobre certos derivados do antraceno. Um aspecto de EC 1.14.14.1.p-Dimetilaminoazobenzeno: Reagente utilizado principalmente para induzir o câncer hepático experimental. De acordo com o Quarto Relatório Anual sobre Carcinógenos (NTP 85-002, p.89) publicado em 1985, este composto "já pode ser considerado um carcinógeno". (Tradução livre do original: Merck, 11th ed)DNA: Polímero desoxirribonucleotídeo que é material genético primário de todas as células. Organismos eucariotos e procariotos normalmente contém DNA num estado de dupla fita, ainda que diversos processos biológicos importantes envolvam transitoriamente regiões de fita simples. O DNA, cuja espinha dorsal é constituída de fosfatos poliaçucarados possuindo projeções de purinas (adenina ou guanina) e pirimidinas (timina e citosina), forma uma dupla hélice que é mantida por pontes de hidrogênio entre as purinas e as pirimidinas (adenina com timina e guanina com citosina).Nitroanisol O-Desmetilase: Enzima oxidativa que transforma o p-nitroanisol a p-nitrofenol.Benzo(a)pireno: Potente mutagênico e carcinógeno. É de interesse para a saúde pública por causa dos seus possíveis efeitos em trabalhadores de indústrias, como poluente ambiental e como componente da fumaça do tabaco.Metildimetilaminoazobenzeno: Potente carcinógeno hepático.Microssomos Hepáticos: Vesículas fechadas formadas por retículo endoplasmático fragmentado quando as células ou tecido do fígado são rompidos por homogeneização. Estas vesículas podem ser lisas ou rugosas.Hepatectomia: Excisão de todo (h. total) ou parte (h. parcial ou subtotal) do fígado. (Dorland, 28a ed)Lipotrópicos: Fatores endógenos ou fármacos que aumentam o transporte e metabolismo de LIPÍDEOS, incluindo a síntese de LIPOPROTEÍNAS pelo FÍGADO e sua absorção por tecidos extra-hepáticos.4-Hidroxiaminoquinolina-1-Óxido: Potente mutagênico e carcinógeno. É um produto da redução da 4-NITROQUINOLINA-1-ÓXIDO. Liga-se aos ácidos nucleicos e inativa tanto bactérias como bacteriófagos.Aldrina: Substância altamente tóxica que fora antigamente utilizada como inseticida. Sua fabricação e utilização foi interrompida nos Estados Unidos.Benzopirenos: Classe de compostos químicos que contêm um anel de antraceno com um anel de naftaleno ligado a ele.Ratos Endogâmicos: Indivíduos geneticamente idênticos desenvolvidos de cruzamentos entre animais da mesma ninhada que vêm ocorrendo por vinte ou mais gerações ou por cruzamento entre progenitores e ninhada, com algumas restrições. Também inclui animais com longa história de procriação em colônia fechada.Regeneração Hepática: Reparo ou renovação do tecido hepático.Desoxiguanosina: Nucleosídeo que consiste na base guanina e no açúcar desoxirribose.Polidesoxirribonucleotídeos: Grupo de 13 ou mais desoxirribonucleotídeos nos quais os resíduos fosfato de cada desoxirribonucleotídeo atuam como pontes formando ligações diéster entre as moléculas de desoxirribose.Reparo do DNA: Reconstrução de uma molécula contínua de DNA de fita dupla, sem incorreções, a partir de uma molécula contendo regiões lesadas. Os principais mecanismos de reparo são o reparo de excisão, em que as regiões defeituosas de uma fita são extirpadas e ressintetizadas, usando-se as informações de pareamento das bases complementares da fita intata; reparo de foto-reativação, em que os efeitos letais e mutagênicos da luz ultravioleta são eliminados; e reparo pós-replicação, em que as lesões primárias não são reparadas, mas as lacunas de uma dúplex filha são preenchidas por meio da incorporação de porções da outra dúplex filha (não danificada). Os reparos de excisão e de pós-replicação às vezes são chamados de "reparo escuro" porque não exigem luz.Compostos de Aminobifenil: Compostos bifenil substituídos em qualquer posição com um ou mais grupos amino. São permitidos nesta nomenclatura quaisquer substitutos, à exceção de anéis fundidos.Ácidos Sulfúricos: Derivados inorgânicos e orgânicos do ácido sulfúrico (H2SO4). Os sais e ésteres do ácido sulfúrico são conhecidos por SULFATOS e ÉSTERES DO ÁCIDO SULFÚRICO, respectivamente.Testes de Mutagenicidade: Testes de substâncias químicas e agentes físicos para potencial mutagênico. Abrangem testes para micróbios, insetos, células de mamíferos e animais totais.Hidroxilação: Colocação de um grupo de hidroxila em um composto na posição onde não se encontrava antes. (Stedman, 25a ed)Replicação do DNA: Processo pelo qual se duplica a molécula de DNA.Aminas: Grupo de compostos derivados da amônia pela substituição do hidrogênio por radicais orgânicos. (Tradução livre do original: Grant & Hackh's Chemical Dictionary, 5th ed)Metilcolantreno: Carcinógeno que é frequentemente usado em estudos de câncer experimental.Dano ao DNA: Lesões no DNA que introduzem desvios em relação a sua conformação normal e que, se não reparadas, resultam em uma MUTAÇÃO ou bloqueio da REPLICAÇÃO DO DNA. Esses desvios podem ser causados por agentes físicos ou químicos e ocorrem tanto em circunstâncias naturais ou não. Incluem a introdução de bases erradas durante a replicação, seja por desaminação ou outras modificações de bases, perda de uma base da cadeia do DNA, deixando um local sem base, quebras da fita simples, quebra da dupla hélice e ligações intrafita (DÍMEROS DE PIRIMIDINA) ou interfita. Na maioria das vezes, o dano pode ser reparado (REPARO DO DNA). Se o dano for extenso, pode induzir APOPTOSE.Nitrofenóis